quarta-feira

Sucupira - extrato seco

Antiinflamatório – combate a dor 

Classe: Fitoterápico

Um estudo publicado em 2009 pela Journal of the Brazilian Chemical Society, refere que  os óleos essenciais presentes na semente dessa planta tem atividade protetora  especialmente para os tumores de próstata.  Esta árvore rústica, com floração roxa azulada, c mum na Mata Atlântica brasileira além  de sua madeira muito procurada, é atualmente famosa pelas propriedades anticancêrígenas presente no óleo de suas sementes.  

Histórico:  
A sucupira é utilizada pelos índios Pataxós, há muitos anos, com propriedades curativas já  reconhecidas pelo uso popular.  É uma árvore nativa rústica e mais comum nas regiões intermediárias entre Mata Atlântica e Cerrado.  Sua madeira é muito procurada e famosa. Nos meses de agosto e setembro, apresenta floração  roxa azulada.

Indicações:

• Artrite;

• Artrose,

• Reumatismo;

• Dores nas costas, nos joelhos e nas articulações;

• Combate úlceras e gastrites;

 • Ácido úrico;

• Aftas;

• Amigdalite, asma;

• Blenorragias;

• Dermatoses;

• Dores espasmódicas;

• Vermes intestinais;

• Inflamações no útero e ovário;

• Anticancerígeno.


Mecanismos de Ação:
As sementes da sucupira tem substâncias envolvidas com o processo da inibição da dor e  da inflamação e de câncer com uma seletividade para o câncer de próstata.

Dosagem / Posologia:
500mg, 2 vezes ao dia, uma de manhã e a outra a noite.

Contra indicações:
A Sucupira é considerada uma planta muito segura para o consumo e não possui contra- indicações. No entanto, não há suficientes estudos publicados correlacionados aos efeitos  colaterais da Sucupira. Também não foi encontrada nenhuma contra-indicação quanto ao uso  contínuo do extrato ou da tintura de Sucupira.

Artigos científicos:
Fava de sucupira contra o câncer  

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) identificaram uma substância na planta popularmente conhecida como sucupira (Pterodon pubescens Benth) capaz de inibir o  crescimento de células de câncer de próstata em estudos in vitro.  Os testes in vivo do trabalho, coordenado pela pesquisadora Mary Ann Foglio, do programa de  pós-graduação do Departamento de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da Faculdade  de Odontologia, terão início em fevereiro de 2009 visando ao estudo do comportamento dos  compostos isolados em modelos experimentais utilizando o combate às células cancerígenas em  camundongos.

Óleo da semente de sucupira
"Outras substâncias com estruturas análogas estudadas também mostraram efeito semelhante,  mas uma em especial apresentou maior potência, com seletividade para a linhagem de tumores  de próstata", disse Mary Ann à Agência FAPESP.  Segundo ela, o nome da molécula de interesse, extraída do óleo da semente de sucupira, é  6alfa-acetóxi-7beta-hidroxi-vouacapano. A sucupira é uma planta do Cerrado tradicionalmente conhecida pelos seus efeitos antiinflamatórios e de combate à dor.

Efeitos antiinflamatórios e analgésicos da sucupira
Os pesquisadores da Unicamp se basearam em dados de literatura que relacionam a atividade antiinflamatória com o controle do crescimento de alguns tipos de tumores. Além disso, dois  estudos de mestrado realizados na Unicamp já haviam comprovado efeitos antiinflamatórios e  analgésicos dos extratos da sucupira.  Outros trabalhos na literatura já demonstram, explica Mary Ann, a relação entre atividade antiinflamatória e o controle de alguns tipos de tumor, especialmente do sistema digestivo.  "Por isso isolamos e monitoramos as substâncias do óleo da semente da planta em modelos in  vitro para, em um primeiro momento, preservar os animais e comprovar a associação entre a  atividade antiinflamatória e anticancerígena", conta.

30 substâncias de interesse Por ser composto de muitas substâncias, o óleo da semente foi fracionado com a utilização de métodos cromatográficos. Este processo identificou cerca de 30 substâncias de interesse.  Dessas, sete foram isoladas e realizadas modificações em suas estruturas químicas para  comparação de suas ações farmacológicas e toxicológicas.  Entre as moléculas identificadas nessas substâncias bioativas, os pesquisadores encontraram a 6alfa-acetóxi-7beta-hidroxi-vouacapano que, segundo Mary Ann, ainda não havia sido descrita  na literatura. "Na próxima etapa do estudo iremos implantar as linhagens de câncer de próstata nos animais e  tratá-los com essa substância inédita. Já demos início também a estudos de microencapsulação  da molécula para ver a possibilidade de aumentarmos seu tempo de vida útil a fim de  administrarmos doses menores da substância", aponta.

Plantas com potencial medicamentoso  
Um artigo com os achados do estudo foi submetido ao Journal of the Brazilian Chemical  Society, publicação da Sociedade Brasileira de Química. "O trabalho já foi aceito e deve ser  publicado no início de 2009", afirma Mary Ann.  O estudo contou com a participação do docente João Ernesto de Carvalho, também do Centro  Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas da Unicamp, além de outros alunos  de mestrado e doutorado na entidade.  O projeto de pesquisa é intitulado Avaliação farmacológica de frações e princípios ativos  obtidos de Pterodon pubescens, com o objetivo de identificar compostos de plantas com  potencial medicamentoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário