terça-feira

Mucuna

Se tratando de fitoterápico:
Nome científico: mucuna pruriens
Família: Fabaceae
Parte utilizada: raiz

- Para doença de Parkinson (contém L-dopa natural).
- Para impotência e disfunção erétil. Como afrodisíaco e para aumentar a testosterona.
- Como anabólico e androgênio, fortalecendo os músculos e ajudando a estimular o hormônio do crescimento. Ajuda na perda de peso.

Sinonímia: Mucuna Pruriens Powder Extract, Velvet bean (Austrália, United States e África do Sul), pica-pica (Venezuela), frijol terciopelo (Latin America), Bengal bean (Índia) e mucuna
preta (Brasil).
Ativos: Mucunina e mucunadine são os principais constituíntes. Seus componentes de princípio são L-DOPA e os alcalóides bioativos mucunine, mucunadina, mucuadinina, prurienina e nicotina como também b-sitosterol, glutationa, lecina, óleos, ácidos venólico e gálico. O L-Dopa é um precursor neurotransmissor, uma droga efetiva para alívio na doença de Parkinson. A semente é um profilático contra oligosperma e é útil no aumento da contagem de esperma, ovulação em mulheres, etc.

Características da planta:
Mucuna pruriens é uma leguminosa anual, originária do Sudeste da Ásia, conhecida também como, feijão aveludado, nescafe, feijão de mar ou atmagupta. A planta é um arbusto, trepadeira com vidas longas que podem alcançar mais de 15 m. Apresenta a inflorescência de rácemos axilares multifloridos, corola violácea de cor branca, folha trifoliada com folícolos grandes e membranosos, sua vagem contém até 6 (seis) sementes de coloração preta, com hilo branco e saliente. É tolerante à seca, sombra, altas temperaturas e ligeiramente resistente ao encharcamento. Possui flores que podem ser brancas, lavanda ou roxas, vagens que estão cobertas com pêlos laranja soltos que causam uma urticária severa se entrarem em contato com a pele. Os feijões são pretos e brilhantes ou castanhos. Encontra-se na África tropical, Índia e no Caribe. Tem estabelecimento rápido, competindo, bastante, com as ervas daninhas. Grande produtora de massa verde. Adapta-se aos mais diferentes tipos de solo, desde os arenosos até os argilosos, com média fertilidade. É grande produtora de matéria orgânica, quando usada como adubo verde. Seu principal atributo é o crescimento no outono. O pó das sementes de Mucuna pruriens contém concentrações levodopa, um precursor direto do neurotransmissor dopamina. Os pêlos que revestem as vagens contêm serotonina, são muito perigosos, podem causa irritações severas. Em África estes pêlos são usados para assassinar pessoas, sendo borrifados para a comida da vítima, que acabará por morrer com hemorragia interna quando os
pêlos afiados perfuram o estômago e o intestino. Além de levodopa, Mucuna pruriens contém supostamente 5-HTP, nicotina, N, N-DMT, bufotenina 5-MeO-DMT, tendo assim de efeitos psicadélicos.

Finalidade terapêutica:
Ayurveda é sem dúvida o sistema mais antigo de medicina no mundo - e a única medicina tradicional para estar baseada em princípios científicos. O uso da erva M.pruriens na medicina ayurvedica vêm de épocas de mais de 4500 anos atrás. M.pruriens tem um perfil bioquímico fascinante, contendo uma grande quantidade de ingredientes ativos como a nicotina, serotonina e L-dopa (ou dihidroxifenilalanina) - o precursor principal do neurotransmissor dopamina, isolado por cientistas índios em 1936. Quando a dopamina produzida pelos neurônios são afetados pela doença de Parkinson, resulta em tremores incontroláveis, rigidez dos músculos, dificuldades para falar, escrever e se equilibrar e lentidão de movimentos. A deficiência sub-clínica de dopamina é responsável pelo sentimento de depressão e falta de desejo sexual. A Dopamina é considerado o neurotransmissor "feelgood", produzido pelo cérebro quando se quer "estar contente" ou der ao corpo uma "recompensa". É também um intermediário na produção de norepineprina (ou noradrenalina, o neurotransmissor que nos desperta do sono) e é efetivo a estimular a produção do hormônio de crescimento (HgH).
• Em um estudo comparativo com animal na doença de Parkinson na qual quantidades iguais de princípio ativo eram usadas, Mucuna pruriens extrato foi mostrado para ser duas a três vezes mais efetiva que o L-dopa sintético. Isto sugere que seja o perfil bioquímico da erva como um todo, e não só o princípio ativo, que é responsável por aumentar sua efetividade significativamente tratando sintomas da doença. Estudos humanos também mostraram benefícios neurológicos importantes para M.pruriens, e ao contrário do L-dopa sintético - tolerância excelente e quase nenhum efeito colateral.
• É provável que quando se toma um extrato da erva juntamente com Tribulus Terrestris aumenta a quantidade de L-dopa que alcança o cérebro. Tribulus contém um inibidor moderado de monoamina oxidase, uma enzima degradante da dopamina. Este modo natural de melhorar os efeitos de M.pruriens foi reconhecido por médicos Ayurvedicos durante mais de 1000 anos.
• Tomando Mucuna pruriens extrato padronizado em L-dopa estimula a secreção de hormônio de crescimento (Hgh) pela glândula pituitária. O Hormônio de crescimento é indubitavelmente o hormônio anti-envelhecimento mais poderoso: encoraja a massa muscular e desencoraja a gordura de corpo, melhora a força e nivela a energia, aumenta o senso de bem-estar e tem uma influência positiva em muitos outros aspectos de saúde.
• M.Pruriens também é usado na medicina ayurvedica, para: restabelecer a libido (junto com Tribulus Terrestris), aumentar os níveis de testosterona (como mostrado em um estudo controlado) e dopamina; em casos de esterilidade masculina e feminina (aumentando a contagem de esperma e encorajando a ovulação), melhorar a agilidade mental, coordenação motora e tratar condições de apatia.

Indicações:
- Para doença de Parkinson (contém L-dopa natural).
- Para impotência e disfunção erétil.
- Como afrodisíaco e para aumentar a testosterona.
- Como anabólico e androgênio, fortalecendo os músculos e ajudando a estimular o hormônio do crescimento.
- Ajudando na perda de peso.

Dosagem:

Dose recomendada: Tomar por via oral, 400 mg uma vez ao dia ou em doses divididas, duas vezes ao dia, ou conforme recomendação médica. Cada 400 mg deve conter em média 15% de L-dopa padronizado.
Reações adversas:
Doses elevadas de Mucuna pruriens pode causar superestimulação, aumento da temperatura corpórea e insônia.

Interações medicamentosas:

• Pode potencializar medicamentos androgênicos.
• Pode potencializar a insulina e medicamentos anti-diabetes.
• Potencializa medicamentos com levodopa.
Contra-indicações:
• A semente pode causar problemas de nascimento e estimular a atividade uterina. Deve ser evitado por mulheres durante a gravidez.
• Mucuna pruriens mostrou ter a habilidade de reduzir o açúcar do sangue. Aqueles com hipoglicemia ou diabetes devem usar somente sob supervisão médica.
• É contra indicado em combinação com inibidores M.A.O.
• Mucuna pruriens possui atividade androgênica, aumentando os níveis de testosterona; pessoas com síndromes andrógenas excessivas devem evitar o uso. Mucuna pruriens inibe a prolactina. Caso você tenha uma condição médica resultando em níveis inadequados de prolactina no corpo, não use a menos que sob supervisão médica.
• A semente contém alta quantidade de L-dopa. Levodopa é o medicamento usado para tratar doença de Parkinson. Pessoas com doença de Parkinson devem apenas usar sob supervisão médica ou um indivíduo qualificado.

Fonte: informativo GAMA

Nenhum comentário:

Postar um comentário